Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH)

Tipos e causas do TDAH

O Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade afeta entre 2 e 12% das crianças e adolescentes. É mais freqüente em homens do que em mulheres.

80% dos casos é por causa genética. Acredita-Se que pode ter também causas ambientais que, em conjunto com fatores hereditários provoca o transtorno em 20% restante, mas não está bem definido.

Classifica-Se o transtorno em 3 tipos:

  • Déficit de atenção.
  • Hiperativo – impulsivo.
  • Combinado: déficit de atenção + hiperatividade e impulsividade.

O TDAH existe um défice de noradrenalina (hormônio do estresse e neurotransmissor) no cérebro que provoca hiperatividade e impulsividade e déficit de dopamina (neurotransmissor do sistema nervoso central), que gera um processamento de dados com defeito e problemas com a regulação das emoções.

Tratamento do TDAH

Geralmente são administrados diferentes tipos de medicamentos como:

  • Metilfenidato ou dextro-anfetaminas são estimulantes, que bloqueiam o transporte e a recaptação de dopamina e a noradrenalina.
  • Atomoxetina: não é um estimulante, age inibindo um transportador de noradrenalina. Melhora a autoestima e as relações sociais sem criar dependência. Não costuma ser tão eficaz como os medicamentos estimulantes.
  • Antidepressivos.
  • Os tratamentos farmacológicos podem ter efeitos adversos que influenciam a nível nutricional. É comum encontrar:
  • Perda de apetite.
  • Descidas de peso.
  • Atraso de crescimento.
  • Distúrbios intestinais, como diarreia ou prisão de ventre, azia, gases e flatulência.
  • Alteração do paladar e boca seca.

Dicas nutricionais para o TDAH / Dieta para o TDAH

Os baixos de açúcar no sangue aumentam a hiperatividade, falta de atenção e impulsividade. Para evitar que isso aconteça, é necessário:

  • Fazer 5 refeições por dia, distribuindo bem o aporte de hidratos de carbono.
  • Retrair o consumo de açúcares simples em forma de guloseimas e refrigerantes.
  • Aumentar o consumo de alimentos integrais e legumes.

Há alguns aminoácidos (moléculas que formam as proteínas) têm especial relevância e são importantes a ter em conta:

  • Fenilalanina e tirosina: são precursores de adrenalina, noradrenalina e dopamina, substâncias que normalmente se encontram diminuídas em TDAH. Os alimentos mais ricos em estes aminoácidos são: a carne, o peixe, os ovos e os lacticínios.
  • Triptofano é um precursor de serotonina, que ajuda a manter-se relaxada e conciliar o sono. Alimentos ricos em triptofano: ovos, derivados do leite (copo de leite quente), peixes, carnes, leguminosas (soja), nozes e frutas (banana, abacaxi e abacate).
  • Metionina: é importante para a síntese de colina. A colina evita a perda de memória, melhora o desempenho intelectual e aumenta a concentração. Encontra-Se em ovos, carne, leite, peixe, as sementes (gergelim), os frutos secos (nozes) e as verduras de folha verde (nabos e espinafre).

As necessidades de proteína se encontram aumentadas (1,2 g de prot/kg de peso em crianças e 1 g de prot/kg de peso em adolescentes). Para chegar a esta contribuição recomendo:

  • Repartir os alimentos proteicos em diferentes refeições.
  • Em jantares dar o peixe ou ovos contêm proteínas de alta qualidade e são alimentos de fácil digestão.

Muitas vezes pode haver deficiências de ácidos graxos essenciais que pode causar pele seca, eczema e asma. Isto é devido a uma má absorção de gordura ou a uma má utilização destas pelo organismo. Portanto, há que aumentar o consumo de gorduras saudáveis da dieta. Dicas para consumo:

  • Fornecer nutrientes essenciais para um bom metabolismo de gordura: zinco, magnésio, vitamina C e vitaminas do complexo B (B2, B3, B6 e B8).
  • Aumentar o consumo de fosfolípidos, um tipo de gordura que dá fluidez das membranas celulares, o que contribuirá para uma melhor transmissão nervosa. Dar gema de ovo, frutos secos, legumes e gérmen de cereais (cereais integrais).
  • Potenciar vitaminas antioxidantes (A, E, C) para proteger os ácidos graxos poliinsaturados da oxidação.

Existe uma tendência a ter ferropenia, ou seja, o ferro baixo no sangue. Para combatê-lo devem-se reforçar os alimentos ricos em ferro e vitamina C.

Todo o grupo de vitaminas B são muito importantes, especialmente a B1 ou tiamina, que é precursor de neurotransmissores, e a B6 ou piridoxina, que costuma estar deficitária e melhoria da conduta. Alimentos ricos em vitamina B1: rebentos de soja, germe de trigo, carnes, peixes, frutos secos, legumes e cereais integrais, especialmente na aveia. Alimentos ricos em vitamina B6: gérmen de trigo, cérebros e vísceras, peixe, queijos curados, frutos secos, cereais integrais, legumes e levedura de cerveja.

O cálcio é um mineral envolvido na produção e transmissão de impulsos nervosos. O TDAH pode haver uma deficiência na transmissão nervosa do sistema nervoso central. Para melhorá-lo há que potenciar os alimentos ricos em cálcio e nutrientes que ajudem a sua assimilação (como a vitamina D, a lactose e a vitamina C).

Há alguns corantes que podem aumentar a sintomatologia do TDAH. Estes corantes que se devem evitar são: ácido acetilsalicílico, furocumarinas, brasil (E-102), Amarelo quinolina (E-104), Amarelo crepúsculo FCF, amarelo alaranjado (S E-110), Azorrubina, carmoisina (E-122), Vermelho allura (E-129).

Recomendações personalizadas

Para terminar, quero lembrar que a melhor abordagem para este tipo de doenças é um tratamento multidisciplinar: médico, psicológico e nutricional.

As crianças com Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade podem ter intolerâncias alimentares pessoais. O suporte dos nutricionistas – nutricionistas de Alimmenta pode ajudar a melhorar a sintomatologia com uma boa alimentação.