origem, patologias e dieta ideal para o seu tratamento.

O que é a fibromialgia, e quem sofre

fibromialgia dor

Pontos dolorosos

Estima-Se que a fibromialgia afeta 2% da população adulta, mas é entre 73 – 88% mais comum em mulheres que em homens. A idade média de início da doença situa-se entre os 34 e 57 anos.

Para diagnosticar a fibromialgia, são utilizados os critérios do Colégio Americano de Reumatologia. De acordo com estes deve existir dor, quando se realiza uma pressão com os dedos em, aproximadamente, 11 dos 18 pontos localizados de forma específica no corpo, tal como mostra o desenho.

A dor é generalizada e crônica (mais de 3 meses de duração) e se devem descartar outras doenças que podem provocá-lo. Tanto em uma análise cone no teste de raio x não aparece nenhum parâmetro alterado.

Sintomas da fibromialgia e distúrbios mais comuns

Foi comprovado cientificamente que existem alterações nos neurotransmissores da dor. A mais importante está em serotonina, que intervém na inibição das sensações dolorosas e encontra-se muito diminuída em pessoas com fibromialgia. Mas também pode ter alterações em dopamina e endorfinas, entre outros. Graças a esta descoberta, hoje em dia já existe um consenso para considerar real a dor na fibromialgia.

Os principais sintomas são:

  • Alterações no ritmo do sono: 56 – 72% dos doentes, os que sofrem. Durante o sono não chega aos estados de sono profundo. Isto implica que não tenha uma boa noite de sono que leva a que a sensação de sono e cansaço, esteja presente durante todo o dia.
  • Alterações psicológicas: É freqüente, entre 30 e 70%, que as pessoas que sofrem de fibromialgia têm níveis elevados de ansiedade, depressão e estresse.
  • Diminuição da força e distúrbios no relaxamento muscular. Mas é importante sublinhar que não existe inflamação na musculatura.
  • Dor no aparelho locomotor: Essa dor piora com temperaturas frias, climas desfavoráveis, o estresse e a atividade física. E melhora com a aplicação de calor de forma localizada, o descanso, massagem e exercícios de alongamento.
  • A Rigidez do aparelho locomotor: Normalmente sofrem um 76% dos pacientes e tem uma duração de 90 minutos ou mais.
  • Sensação subjetiva de inflamação nas articulações e de formigamento ou adormecimento difusos ou nas pontas.
  • Fadiga, cansaço extremo: Entre 80 – 90% dos doentes sofrem de fadiga, sobretudo as manhãs.
  • Secura da boca: Cerca de 10% das pessoas com fibromialgia sofrem com este sintoma.
  • Obesidade ou excesso de peso: É comum, devido à baixa atividade física que podem fazer as pessoas com fibromialgia (o repouso, melhora da sintomatologia).
  • Distúrbios gastrointestinais: Os mais frequentes são a pirosis (azia), disfagia (dificuldade para engolir os alimentos), a aerofagia (gases), distensão abdominal, diarreia ou prisão de ventre e a síndrome do intestino irritável.

Tratamento da fibromialgia

A fibromialgia é uma doença crônica e, portanto, não tem cura. O tratamento deve ir focado para melhorar os sintomas que sofre a pessoa a melhorar a sua qualidade de vida. O mais aconselhável é fazer uma atuação multidisciplinar, onde intervêm diversos tratamentos com medicamentos (analgésicos, anti-inflamatórios, antidepressivos, …), fisioterapia, psicoterapia, desportivo e nutricional.

Alimentação na fibromialgia

As características que deve ter com a alimentação para as pessoas com fibromialgia ficam em muitos aspectos da alimentação da pessoa saudável, isto é devido a que as necessidades de muitos nutrientes estão aumentadas.

Geralmente, o organismo das pessoas com fibromialgia ocorre uma perda crônica de cálcio e magnésio. Esta descida de minerais gera contrações espasmódicas nos pontos dolorosos da musculatura descritos anteriormente. Além disso, também é frequente encontrar um défice de Selénio, Zinco, Iodo, Ferro e Vitamina D.

As necessidades de macronutrientes (carboidratos, gorduras e proteínas) são as seguintes:

  • Proteínas Devem contribuir com 15% da energia que se consome ao longo do dia. Do consumo total de proteínas apenas 40% deve ser de origem animal e 60% de origem vegetal. Os principais alimentos deste grupo a consumir devem ser o peixe, os legumes e os ovos.
  • Hidratos de carbono: Os açúcares devem representar entre 45 – 50% da energia que se consome ao longo do dia. Destes, 40% devem ser hidratos de carbono complexos ou de absorção lenta e menos de 10% através de açúcares simples. Os alimentos deste grupo a consumir de forma majoritária devem ser de legumes, tubérculos, verduras, frutas e em menor quantidade os cereais.
  • Lipídeos: As gorduras devem representar 35% da energia que se consome ao longo do dia. Destas, menos de 7% devem ser ácidos gordos saturados, 20% de ácidos graxos monoinsaturados, entre 5 – 7,5% de ácidos gordos poli-insaturados e menos de 1% de ácidos graxos trans. Além disso, é importante consumir ácidos graxos ômega-3 (2 gr. de linolênico) e ômega-6 (6%). Quanto ao colesterol até 300 mg ao dia. A fonte de alimentação de todas estas gorduras deve ser o peixe azul, o azeite de oliva virgem, os frutos secos e as sementes.

dieta fibromialgiaAs necessidades de micronutrientes (vitaminas e minerais) também são alteradas. Quanto aos minerais, cabe destacar que as quantidades de cálcio (mínimo de 1.500 mg/dia), magnésio (entre 400 – 1.000 mg/dia), zinco (10 mg/dia) e selênio (70 µg/dia). As necessidades de vitaminas também estão aumentadas, vitamina A (mínimo de 1.000 µg/dia), vitamina C (entre 80 – 300 mg/dia), vitamina E (menos de 10 mg/dia), vitamina B6 (mínimo de 1,5 mg/dia) e ácido fólico (mínimo de 400 µg/dia).

Para a fibra dietética estabelece um consumo de 30 a 40 gr. por dia, que darão principalmente as leguminosas, frutas, legumes, sementes e cereais integrais.

Dieta para a fibromialgia

Para desenvolver uma dieta adaptada à pessoa que sofre de fibromialgia há que se verificar em primeiro lugar se existe alguma alergia ou intolerância alimentar. 7% das pessoas que têm fibromialgia também têm alguma alergia ou intolerância (na população em geral apenas entre 2-5%). A mais comum é a intolerância à lactose, seguida pela alergia ao abacaxi, morangos, a soja e as frutas cítricas.

Um dos principais objetivos nutricionais para tratar as doenças auto-imunes, como a fibromialgia é potenciar o sistema imunitário , através de um bom consumo de vitaminas, minerais e proteínas.

As principais recomendações dietéticas para a fibromialgia são:

  • Fazer uma alimentação basificante, ou seja, rica em minerais como o magnésio, o cálcio e o potássio e pobre em sódio (sal).
  • Fazer um bom aporte de antioxidantes: vitamina C, A, E, Selénio, Zinco e fitoquímicos como flavonóides ou a quercetina.
  • Fazer uma ingestão correta de vitamina D para garantir a absorção do cálcio a nível intestinal.
  • Consumir Ômega-3 pelo seu efeito anti-inflamatório e melhora os estados de depressão.
  • Melhorar a absorção intestinal de nutrientes através de uma flora saudável e a ingestão de fibra.
  • Consumir alimentos ricos em Beta-caroteno para garantir um bom estado das mucosas internas e melhorar sua hidratação.
  • Consumir vegetais crus nas refeições principais para aumentar a ingestão de vitaminas antioxidantes.
  • A ingestão de nozes todos os dias, pela sua contribuição em minerais basificantes e em ácidos gordos saudáveis.
  • Para garantir um bom aporte de energia e nutrientes, recomenda-se fracionar a refeição em 5 vezes ao dia.
  • Tudo isto tendo em conta que se tem que realizar de forma fácil e sem muito esforço. Como? É necessário fazer um planejamento semanal das refeições para organizar bem a compra. Escolher receitas de fácil preparo e digestão para evitar causar mais cansaço da pessoa.

O papel do nutricionista – nutricionista da fibromialgia

Além de fazer uma boa dieta, em muitos casos, também será necessário suplementar para conseguir chegar a todos os nutrientes descritos e aumentar a eficácia da abordagem nutricional. Para isso, a melhor escolha é ir à consulta de um nutricionista – nutricionista para que realize uma orientação personalizada a cada caso. Em Alimmenta podemos ajudá-lo a melhorar a sua saúde através de um atendimento personalizado.