Falsos mitos sobre nutrição para corredores

Anna Sauló, recente adição ao equipamento de Alimmenta, fala sobre os “falsos Mitos sobre nutrição para corredores” na revista CMD Sport. O artigo tem o formato de entrevista do qual recolhemos alguns pontos.

Uma maratona é uma competição de muita exigência física, em que estar bem hidratado faz parte das estratégias para alcançar a meta em boas condições e com uma boa marca. Não se trata de beber muito, trata-se de tomar a quantidade e o líquido adequado antes, durante e depois da competição. Isso não quer dizer que seja aconselhável a ingestão excessiva de água durante a corrida, já que “pode levar à hiponatremia (concentração de sódio no plasma diminui). Esta situação é grave, pois pode causar a morte ou deixar sequelas importantes. É a causa mais comum de hospitalização em atletas que praticam exercícios de longa duração.

Quanto e quando se deve beber?

Como regra geral pode-se dizer que 4 horas antes de iniciar a competição se deve beber entre 2 e 4 copos de água. Uma ou duas horas antes, o ideal é beber 1 copo de água e 2 de bebida isotónica. Durante a competição, ele deve ir beber entre 150-200 ml de bebida isotónica a cada 15 ou 20 minutos. Após a competição, temos que continuar hidratándose com água, bebidas de reposição, caldos, sucos…

Treinar em jejum, outro mito

Há que tomar o pequeno-almoço antes de treinar, assim o assegura Sauló. “Sair para treinar em jejum favorece a perda de gordura, mas há muitas conseqüências que combatem este efeito. Em primeiro lugar, vamos esvaziar os depósitos de glicogênio (a energia do músculo) mais rapidamente, o que nos vai causar um aumento da fadiga, má técnica e um maior risco de sofrer lesões. Em segundo lugar, esse estresse afeta o sistema imunitário e para a perda de massa muscular. Finalmente, a sensação de fome depois do treino nos levar a comer em excesso”.

É verdade que as gorduras são muito prejudiciais para os corredores?

Perante esta pergunta, Anna Sauló observa que “um excesso pode fazer nos sentir pesado nos treinos, dificultar a digestão e aumentar a gordura corporal. Não obstante, as gordas também têm um papel muito importante ao nível do desempenho energético, melhoram a palatabilidade e o gosto dos alimentos, reduzem o índice glicêmico dos hidratos de carbono, contribuem para aumentar a sensação de saciedade e são suporte para vitaminas como a A, D, E e K”.