Como preparar refeições saudáveis aos seus filhos

Com o trabalho que implica organizar todas as refeições e jantares semanais, muitas vezes não atentarmos para o almoço que nossos filhos comerão no colégio. São cinco preparações semanais que, muitas vezes, solucionamos com pastelaria industrial e um suco de frutas. Para não recorrer a esses almoços pouco saudáveis, é recomendável planejar os alimentos com os que preparar os almoços e incluí-los na compra semanal.

Esta semana, a nutricionista-nutricionista de Alimmenta Vanessa Rus, já fez esse trabalho por amor de vós, através de uma parceria com a web, Mais do que pais. Em seus almoços, Vanessa opta por introduzir os hidratos de carbono em um sanduíche. A fibra, vitaminas e minerais, os incorpora principalmente com uma peça de fruta que recomenda comer sempre inteira porque assim é mais nutritiva e saciante.
Um aspecto importante ao se planejar a compra é que o pão que entra em casa seja de qualidade. O pão de forma, por exemplo, costuma incorporar açúcar, gorduras e aditivos entre seus ingredientes e é melhor consumir de forma esporádica. Por isso, é bom se acostumar a preparar os almoços com um pão tradicional e integral, que sempre será mais nutritivo.

Com esta planeamento de refeições que Ela preparou para o seu artigo em Mais do que Pais, a nutricionista-nutricionista de Alimmenta proclama vida longa ao lanche saudável:

  1. Segunda-feira: sanduíche de queijo fresco com mel, marmelo ou geléia + duas tangerinas.
  2. Terça-feira: sanduíche de atum em lata com rodelas de tomate + banana.
  3. Quarta-feira: sanduíche de peru + alface + pepino + dois kiwis.
  4. Quinta-feira: sanduíche de abacate + tomate + folhas verdes (alface, escarola, espinafre, brotos verdes…), com sal e pimenta-do-reino a gosto + três ameixas.
  5. Sexta-feira: sanduíche de ovo cozido + alface + três figos.
  6. Sábado: sanduíche de queijo fresco com cônegos e tomate cereja cortados ao meio + um soprador.
  7. Domingo: sanduíche de maçã cortada muito fina + cônegos + vinagre de Modena + um pêssego.

Preparar refeições saudáveis e, em geral, planejando uma dieta equilibrada, a vossos filhos, podeis prevenir muitos problemas de saúde. Lembre-se que o sobrepeso e a obesidade infantil é muito mais do que problemas estéticos. Numerosos estudos têm demonstrado que a obesidade infantil pode causar problemas de saúde ao longo de toda a vida. Para um aconselhamento nutricional personalizado, você pode encontrar a sua nutricionista-nutricionista infantil em Alimmenta.

E se você também ideias para o pequeno-almoço, dê uma olhada neste vídeo

Como melhorar a sua fertilidade através da alimentação

Infertilidade ou subfertilidad

A infertilidade ou esterilidade é, segundo a definição do dicionário da real academia espanhola, a incapacidade de fecundar o homem e criou a mulher. Mas, embora esta definição é certa, em termos médicos se deve também incluir um fator essencial como o tempo, mas, dependendo da fonte , este tempo varia entre 1 e 2 anos , mantendo relações normais, sem o uso de métodos contraceptivos.

melhorar a fertilidade dieta

É necessário incluir também o termo subfertilidad ou fertilidade reduzida, que é muito mais comum, e podem ter um ou ambos os membros do casal. Este problema pode ser de fácil solução, se o outro membro apresenta uma certa fertilidade.

Dados de infertilidade em Portugal

A prevalência de infertilidade ou esterilidade é muito difícil de estabelecer, uma vez que, por um lado, não existe um claro consenso em tempo necessários para definir quais são os casais que devem ser estéreis e, por outro lado, nem todas as pessoas com problemas de fertilidade consultam um médico.

Embora os dados de prevalência de infertilidade não são muito precisos, mas estima-se que existe um 15% de casais que sofrem com problemas de infertilidade. Dentro deste percentual, cerca de 40% dos casais inférteis, o são por causa feminina, outro 40% por causa masculina, 10% por causa mista e, mais 10% por causa desconhecida. Por isso, é importante que estes problemas sejam tratados em casal, já que, a causa pode vir a raiz de qualquer um dos dois membros e, sempre será necessária a ajuda e o apoio do outro para poder solucioná-los.
As causas

As causas da infertilidade podem ser múltiplas e devidas, como dissemos anteriormente, ao homem, à mulher ou a ambos. As causas podem resumir-se em:

Causa masculina

Pode-Se dar por problemas no sistema hormonal, por problemas em alguma das partes do sistema reprodutor masculino, ou, por problemas na qualidade do esperma.

Causa feminina

Pode-Se dar por problemas no sistema hormonal ou nos ovários que causará problemas na formação do óvulo ou, por problemas em alguns dos órgãos do sistema reprodutor feminino (trompas de falópio, cérvix ou útero)

Idade

A sociedade atual mudou muito em relação a alguns anos atrás e por diversos fatores se foi atrasando a idade de maternidade. De acordo com os dados do instituto nacional de estatística, a média de idade de gravidez situa-se aproximadamente os 31 anos, quando o pico de fertilidade das mulheres está em torno dos 20.

Deve-Se saber que, de acordo com estudos realizados em populações em que não se usam contraceptivos, a capacidade reprodutiva das mulheres diminui a partir dos 30, mas é significativo a partir dos 35 anos, sendo mais evidente ainda a partir dos 40. No caso dos homens, a idade não é tão notável ainda que se que têm uma redução significativa da capacidade de ter filhos a partir dos 40.

Portanto, é recomendável que tenha em conta que a idade pode afetar a sua capacidade reprodutiva. Se você já estiver nessa idade, e quiser ter um filho, deve favorecer ao máximo as suas possibilidades, tendo em conta esses fatores que você pode modificar e de que se falará mais adiante.

Factores psicológicos

Tem-Se a hipótese de que o estresse crônico por alteração dos níveis hormonais, que pode produzir, pode resultar em uma ovulação irregular ou em uma baixa qualidade espermática.

Embora a relação seja ainda motivo de discussão é importante, perante o desejo de engravidar e se tem de realizar algum tipo de tratamento, ter em conta o estado psicológico dos membros do casal, já que, também foi levantada a hipótese de que se obtêm melhores resultados nos tratamentos se existe um apoio psicológico durante o mesmo e, na maioria dos casos, os membros do casal são afetados psicologicamente pela angústia que lhes produz não poder alcançar o seu objetivo de ser pais.

Fatores ambientais

Os fatores de vida ambientais também afetam a possibilidade de poder ter filhos. Entre esses fatores, há que ter em conta:

  • O tabaco: tem um conhecido efeito prejudicial no nosso organismo em nível pulmonar, mas este efeito não fica aqui, se não que afeta outros sistemas, como o sistema reprodutor influenciando tanto na fertilidade masculina e feminina. Portanto, se você está pensando em ficar grávida, é melhor que deixe de fumar.
  • Álcool: o consumo excessivo de álcool pode dificultar a formação de óvulos e favorecer uma pior qualidade espermática em homem, com o que, ambos os membros do casal devem reduzir o seu consumo para favorecer a gravidez.
  • O peso e a alimentação: o peso dos dois membros do casal, seja em excesso ou em falta, afeta de forma negativa a possibilidade de ter filhos. Por sua parte, deve-se levar a cabo uma alimentação correta para favorecer que todos os processos ocorram de maneira adequada em nosso organismo, mas, segundo alguns estudos, alguns nutrientes podem ajudar a promover a infertilidade, tanto masculina como feminina.

A fertilidade, uma questão de peso

O peso do homem e sua fertilidade

A relação existente entre o peso é explicado principalmente pela relação entre a gordura corporal e os hormônios encarregadas de fazer uma correta criação de esperma, mesmo que não é a única causa.

  • O baixo peso: embora a relação entre baixo peso e fertilidade masculina não é um dos temas mais estudados, deve-se ter em conta, pois alguns estudos mostram que, com um peso insuficiente, o homem pode provocar um declínio na contagem e atividade espermática.
  • O excesso de peso ou obesidade: estas duas situações são cada vez mais comuns em nossa sociedade, por isso, devem ser levados em conta na hora de conceber. A relação entre excesso de peso, ou, sobretudo, da obesidade, e da fertilidade, que se baseia principalmente em uma alteração hormonal que pode criar um atraso da maturação sexual na puberdade, problemas na geração de espermatozóides e, portanto, na qualidade do sêmen e, um aumento da possibilidade de sofrer de disfunção erétil.

O peso da mulher e sua fertilidade

Igual que no caso anterior, a relação entre o peso e a fertilidade feminina é explicado principalmente pela relação entre o percentual de gordura e a produção de certas hormonas essenciais para uma correcta ovulação.

  • O baixo peso: a relação entre baixo peso e fertilidade tem sido mais estudados em mulheres que em homens, provavelmente porque há algumas conseqüências visíveis como a perda da regra, que já podem fazer-nos ver que a influência que exerce um baixo peso no sistema reprodutor. De acordo com os estudos, com um défice de peso pode atrasar a maturação sexual na puberdade e quando a menstruação já está instaurada pode produzir uma ovulação irregular ou mesmo interrumpirla. Também pode afetar manter um certo revestimento do útero (lugar onde se aninha e se desenvolve o óvulo fertilizado), o que gera uma diminuição nas chances de engravidar.
  • O excesso de peso ou obesidade: a obesidade ou o excesso de peso podem criar problemas durante a gravidez (preeclamsia, diabetes gestacional, parto por cesariana, etc.), mas, além disso, também podem influenciar a fertilidade de uma mulher.

Acredita-Se que o excesso de peso gera um ciclo hormonal anormal que provoca uma alteração da ovulação. De acordo com alguns estudos realizados em mulheres durante um tratamento de fertilidade, as mulheres dentro de um peso moderado tinham uma taxa de fecundidade de 60% maior do que as que apresentaram obesidade.

A alimentação para a fertilidade

Uma dieta equilibrada é essencial para o correcto funcionamento de todo o sistema do nosso organismo, o sistema reprodutor não é uma exceção. Embora não existam importantes estudos que reforce esta afirmação, é conhecido pela comunidade de saúde que as carências ou excessos de energia ou de determinados nutrientes tem um impacto negativo sobre o nosso organismo. Por este motivo, além da recomendação de atingir um peso adequado para evitar os problemas acima, será impedido de levar a cabo uma dieta equilibrada por ambos os membros do casal. Além disso, não há estudos que apontam a importância de determinados nutrientes que influenciam a fertilidade masculina e feminina.

A alimentação no homem

Os nutrientes que podem ajudar na melhora da fertilidade masculina são:

  • Os ácidos graxos posiinsaturados (AGPI) e o DHA: os AGPI, se são fornecidos em um certo equilíbrio, tem importantes efeitos benéficos a nível cardiovascular e são imprescindíveis para o bom funcionamento do nosso organismo. O ácido omega-3, em especial, o docosahexaenoico (dha), foi encontrado também em grandes quantidades dentro das células de sertoli, encarregadas da espermatogênese. Os especialistas acreditam que esse componente, localizado na cauda do esperma, pode fornecer a elasticidade necessária para o seu movimento normal. As fontes dietéticas de ácidos ômega-3 são o óleo de peixe (contém dha como epa, outro derivado da família omega-3), alguns óleos vegetais (óleo de soja, óleo de linho, etc.) ou frutos secos como as nozes. Se queremos dar através de suplementação, o dha costuma vir de óleo de peixe ou de algas, e não é recomendado exceder a dose de 3g diários já que pode resultar em hemorragia.
  • O ácido fólico: de acordo com os estudos realizados neste nutriente influencia, no caso do homem, sobre o número e a mobilidade espermática. Também sugere-se que, como o ácido fólico é indispensável para uma correta divisão celular, o seu défice relacionado com alterações no dna do espermatozóide, que podem ser causa de defeitos congênitos no futuro bebê. Por tudo isso, seria aconselhável manter a dose necessária de ácido fólico para evitar carências (200 µg./dia). Se você quer contribuir, através da alimentação, sua principal fonte entre os alimentos que são as verduras de folha verde, os legumes e os frutos secos.
  • Os antioxidantes: a oxidação do nosso organismo ocorre de maneira fisiológica em todos nós, e afeta, entre outros, ao sistema reprodutor masculino, mas pode se ver acelerada em determinados ambientes em que o homem se vê exposto a agrotóxicos, inseticidas e metais pesados (chumbo, mercúrio, etc.) ou, pelo hábito de cigarros fumados ou exercício excessivo. Este efeito, e suas conseqüências, podem ser equilibrados, em parte, através de uma alimentação equilibrada, com um alto teor de nutrientes antioxidantes.Vitamina C: é um nutriente com um alto poder antioxidante. Suas recomendações podem aumentar em caso de fumantes ou desportistas. A maior fonte de alimentos são as frutas e legumes, principalmente cruas, já que é destruída com o calor.Vitamina E: a vitamina a com efeito antioxidante esta amplamente distribuída dêem a natureza, as suas principais fontes são os óleos vegetais (em especial o óleo de oliva) ou os frutos secos oleaginosos.Vitamina A e beta-caroteno: à parte de sua função protetora das células do aparelho reprodutor masculino, contra o processo de envelhecimento, favorece a produção de progesterona, hormônio que interfere nas funções do sistema reprodutor masculino. A contribuição através da alimentação pode ser feita através da vitamina a pré-formada (retinol) ou de β-caroteno. A vitamina A encontra-se principalmente na gordura de origem animal, como as que contêm as carnes, gorduras e laticínios integrais são, por isso, sua contribuição é mais recomendável através de β-caroteno, que são frequentemente encontrados em vegetais e frutas com uma cor alaranjada ou avermelhada (cenoura, tomate, abóbora, damasco, melão, etc.).Selênio: também este antioxidante é fundamental para a fertilidade do homem, já que se pensa que influencia a qualidade e motilidade dos espermatozóides. Sua principal fonte são os cereais integrais, os peixes e os frutos do mar e, em menor grau, frutas e vegetais, nas quais, o seu conteúdo varia de acordo com a concentração dos solos em que se cultivam.Zinco: além de seu poder antioxidante, o zinco esta envolvido no desenvolvimento dos órgãos sexuais. Também está relacionada com a quantidade e mobilidade dos espermatozóides e com a quantidade de testosterona (hormônio masculino) no organismo.
  • A possível falta de zinco, portanto, deve ser controlada, tendo em conta que as fontes através das quais se pode obter são os frutos do mar, carne magra, peixes, ovos e leguminosas.

A alimentação da mulher

Nesta seção serão abordados tanto os nutrientes que podem ajudar na melhoria da fertilidade feminina como aqueles essenciais para a preparação da gravidez. Estes são:

  • O ácido fólico é uma vitamina do grupo B é recomendada em mulheres grávidas para evitar problemas neuronais no futuro bebe. Mas, além disso, se fizermos referência à fertilidade, se relaciona com o risco de aborto espontâneo, em alguns estudos. Portanto, por estes dois motivos, recomendando uma dieta que cubra as necessidades deste nutriente a todas as mulheres que querem engravidar. A ingestão recomendada deste nutriente para mulheres adultas de cerca de 200 µg/dia que, desde o primeiro dia de gravidez devem ser levantadas a cerca de 400 µg/dia, uma dose muito difícil de alcançar somente através da alimentação. Como não é impossível determinar o dia exato em que vai começar a gravidez e, devido a essa impossibilidade de se chegar à dose requerida apenas por meio de alimentação, este nutriente costuma ser suplementado pelo ginecologista, se a mulher está tentando engravidar. Apesar disso, através da alimentação também pode ajudar levedura de cerveja, legumes de folha verde (acelga, espinafre…), leguminosas, frutos secos, cereais de pequeno-almoço enriquecidos, etc.
  • Vitamina A e beta-caroteno: esta vitamina, e seus precursores, os β-caroteno; são imprescindível para o correto manutenção das diversas mucosas do organismo, entre elas, a mucosa uterina, onde deve ser implantado o óvulo fecundado. Por outro lado, também interfere sobre o ciclo menstrual, o desenvolvimento da placenta e em outros aspectos da reprodução feminina. Temos, portanto, de assegurar a cobertura das necessidades desta vitamina que, como foi comentado antes pode ser feito através de uma alimentação rica em frutas e legumes de cor avermelhada ou alaranjada.
  • Vitamina E: também chamada em alguns casos vitamina da fertilidade, foi relacionado o seu déficit com a incapacidade para a reprodução de diversas espécies animais. Embora em humanos, não existem estudos suficientes a respeito, acredita-se que a relação entre a vitamina E e o sistema reprodutor deve-se a que a vitamina E tem um alto poder antioxidante, que protege os tecidos dos radicais livres e toxinas ambientais. Portanto, para que não existam carências desta vitamina teremos que garantir umas doses adequadas através de suas principais fontes que, como já disse anteriormente, são os óleos vegetais (em especial o óleo de oliva) ou os frutos secos oleaginosos
  • Ferro: é muito importante começar uma gravidez com concentrações séricas de ferro ótimas já que, durante a gravidez as demandas do mesmo vão ser aumentadas. Existe uma tendência natural para a anemia na gravidez que pode compensar em maior medida se começamos com um bom aporte do mesmo. Por outro lado, um estudo relacionado a ingestão de suplementos de ferro com um menor risco de infertilidade ovulatória, mas são necessários mais estudos para confirmar ou descartar esta associação. Seja por uma ou por outra causa, em que a dieta da mulher que deseja engravidar, vamos controlar o que seus aportes de ferro sejam os necessários para que não haja problemas no momento da concepção ou durante a gravidez. Os alimentos que podem contribuir são as carnes, peixes, legumes, frutos secos, ovos ou legumes como espinafre, aspargos ou feijão.
  • Zinco: o zinco influencia a ovulação e fertilização e, durante a gravidez, uma deficiência de zinco pode causar diversas anomalias, como o aborto espontâneo, malformações, retardo no crescimento ou prematuridade. Por outro lado, como antioxidante, pode ajudar o retardo do envelhecimento celular e folicular, que irá aumentar as chances de gravidez.

Portanto, temos de ter em conta que se podem fazer carências de zinco com dietas monótonas baseadas em alimentos refinados, mas, se você pode contribuir com a dose necessária através de fontes citadas anteriormente.

A infertilidade, coisa de dois.

Deve-Se ter em conta que os problemas na hora de ter um filho, já venham por parte do homem, da mulher ou de ambos; devem ser tratadas em casal. Ambos os membros do casal têm um papel fundamental e podem ajudar a melhorar suas chances de conceber indo ao médico mas também a mudar alguns aspectos da sua vida diária.
Um nutricionista-nutricionista pode ajudá-lo a melhorar a sua alimentação e a manter um peso correto, um fator chave para melhorar a fertilidade e suas chances de conceber.

Como emagrecer 10 kg – dieta para perder 10 kg

O que inclui uma dieta para emagrecer 10 kg?

LÁCTEOS

De preferência, desnatados (leite, iogurte e queijo fresco 0%). Se tomar bebidas vegetais, escolha as mais ricas em cálcio.

LEGUMES

Todos os vegetais são recomendados. Inclúyelas tanto no almoço como no jantar como prato principal, a partir das folhas para a salada, tomate, pepino… legumes como berinjela ou abobrinha, ou brassicaceae (brócolis, couves…) e também os cogumelos.

FRUTAS:

Também se recomendam a todas as frutas até mesmo o banana! O ideal é tomar 2 ou 3 porções de cada dia. Você pode levá-lo de sobremesa ou entre as refeições. É um aperitivo perfeito.

CEREAIS, LEGUMES e TUBÉRCULOS

Este grupo de alimentos é o que usamos de forma energética, como se fosse a nossa gasolina. Devemos tomar para que o organismo possa fazer as suas funções, mas devemos controlar a quantidade para que o corpo possa aproveitar as reservas de energia (gordura acumulada) e, assim, emagrecer.

A quantidade de orientação que há que acrescentar na comida e o jantar é a medida de um punho.

Arroz, massas, cuscuz, pão… de preferência integral, leguminosas (lentilha, grão de bico ou feijão e batata.

PROTEICOS

  • Ovos: 3 a 4 ovos por semana.
  • Carnes: de Preferência brancas (frango ou peru) e uma, no máximo duas vezes de carne vermelha (boi)
  • Enchidos recomendados: peito de peru, frango ou presunto cozido.
  • Peixes: Aumenta o seu consumo, em detrimento da carne. Procura tomar, no mínimo, 3 vezes por semana peixe branco (pescada, linguado, bacalhau..) e 1 ou 2 vezes peixe gordo (salmão, anchova, cavala…)
  • Frutos do mar: você também pode incorporá-lo em suas receitas, como peixe branco. Ameijoas, berbigões, lulas, chocos, camarão…

ÓLEOS E GORDURAS

O mais recomendado é o óleo de oliva (melhor em cru), mas há que diminuir sua quantidade a 2 ou 3 colheres de sopa ao dia.

Você também pode adicionar alguma vez um pouco de abacate ou um punhado de frutos secos torrados ou crus.

Como combinar os alimentos

Uma vez conhecemos os alimentos recomendados, falta saber como combiná-los em nosso cardápio diário.

Um bom esquema seria o seguinte:

DISTRIBUIÇÃO DIA TIPOBUFFET deLeite. Exemplo: café com leite desnatado

Cereal.Exemplo: 2 torradas (peru)

Meio da MANHÃFruta. Exemplo: 2 kiwisALIMENTOSVegetais.Exemplo: Creme de abobrinha

Cereais, legumes ou tubérculo. Exemplo: batata ao forno

Proteína.Exemplo: Frango grelhado

Leite. Exemplo: Iogurte sabor

LANCHEFruta. Exemplo: 1 bananaJANTARLegumes.Exemplo: Salada verde

Cereais, legumes ou tubérculo: Exemplo: pequena guarnição de arroz integral

Proteína.Exemplo: salmão no papillote

Leite. Exemplo: Iogurte sabor

CONFECÇÕES ADEQUADAS, ORGANIZAÇÃO e ocasiões especiais

Tão importante é escolher bem os alimentos como cozinhá-los adequadamente. As confecções mais recomendadas são aquelas que podem ser preparados com pouca gordura. Se prepara para mais de um calcula as quantidades da receita em proporção à sua dieta.

Use a prancha e o forno. Você pode cozinhar ou ferver. E se você é um pouco fogareiros certeza de que saberá fazer um cozido ou refogado sem passar de óleo. O truque é cozinhe em fogo baixo, mexa de vez em quando e adicionando um pouco de caldo, se vê que te seca ou cola.

Para poder levar a cabo a dieta tem que ter sempre em casa frutas e legumes. O ideal é que você compre pelo menos uma vez por semana, frutas e verduras frescas variadas (para saladas, cremes de legumes, refogue, para ferver…). E se a semana se complica e você não tem tempo, sempre vai ter em casa conservas de legumes como aspargos ou alcachofras que se resolvem jantar.

Quando você compra peixe ou carne, compra para mais de um dia e o que não consumas em 1 ou 2 dias congelar. Ter ovos na geladeira, sempre é um grande recurso!

Se você tem um compromissos à vista, não se preocupe! Se você vai a um restaurante, escolha uma salada de primeiro e algo grelhado ou brasa de segundo, ou um carpaccio que estão ótimos. Procure não tomar mais uma taça de vinho e bebe água. E se você for convidado para a casa de alguém, simplesmente relaxe, pegue porções moderadas.

Exemplo de menu semanal

LunesMartesMiércolesJuevesViernessábadodomingocomida– Espinafres salteados com alho e batata*.

– Anchova grelhada com cebola

– Pera.

– Feijão pintas em seu suco*

– Salada verde

– Iogurte .

– Salada de brotos, cherrys, milho e arroz

– Escalibada é com peito de frango grelhado

– Duas fatias de abacaxi

– Grão de bico com matérias-primas vegetais como cebola, pimentão verde e vermelho

– 2 biscotes de pão

– Iogurte.

– Sopa com macarrão

– Peito de peru ao papillot com tiras de pimentão vermelho, verde e cogumelos ao vapor

– Pêra

– Sopa fria de pepino*

– Lulas encebollados*

– Pêssego

– Legumes refogados e arroz com carne moída*

– Iogurte com morangos.

Jantar– Salada de pepino e pimentão

– Mexidos com gambitas e cogumelos

-Pão

– Iogurte.

– Puré de espargos brancos*

– Linguado grelhado

– Duas fatias de melancia

– Gaspacho com um ovo cozido desfiado

– Fatias de pão com queijo fresco 0%

– Iogurte

– Brócolis com batata

– Pescada com cebola e tomate ao forno

– Laranja

– Puré de espargos brancos*

– Omelete de berinjela e cebola

– Iogurte

– Salada de canónigos, rúcula, cenoura, tomate, picles e atum ao natural com cuscus

– Iogurte

– Gaspacho

Dourada no forno com batata e abobrinha

– Iogurte.

Algumas receitas do menu

FEIJÃO PINTAS EM SEU SUCO

Em uma panela grande adicione uma colher de sopa de azeite, quando estiver quente adicione 3 dentes de alho inteiros e removido para que não se queimem e dourar. Quando estiverem doraditos adicione os feijões pintas (que anteriormente estiveram de molho de um dia), remove alguns minutos, adicione água (3 vezes mais que o peso de feijão) e 2 folhas de louro. Tampe a panela e deixe ferver até que estejam cozidos.

PURÉ DE ESPARGOS BRANCOS

Coloque uma caçarola no fogo com 2 colheres soperas de azeite e um alho picado. Uma vez que seja o alho trouxas, acrescenta um alho-porro cortado aos bocadinhos e deixa-se cozinhar uns minutos. Dê uma batata cortada em cubos e 7 aspargos brancos em conserva cortados pela metade. Adicione uma pitada de sal, a água dos aspargos e um pouco de água até cobrir os legumes. Deixe que cozinhe em fogo médio e assim que estiver com a batata terna, tritura até que fique com uma textura fina.

LULA ENCEBOLLADOS

Curta umas 5-6 cebolas muito finitas. Em uma frigideira grande, adicione uma colher de sopa de azeite e quando estiver quente rehoga lulas (apenas para marcá-los, não devem ser cozidos). Quando tiverem, então, pegou um pouco de cor, retire-os do fogo. Em seguida, na mesma frigideira, acrescentar a cebola, baixa o fogo, adicionar um pouco de água e sal e cueces em fogo lento. Quando a cebola estiver quase cozida e doradita adicionar as lulas e deixe cozinhar até que estes estejam no ponto. Em cerca de 5 minutos, você pode servi-lo.

SOPA FRIA DE PEPINO

Descascar um pepino, trocéalo e lança-o no copo do liquidificador junto com o iogurte natural sem sabor açúcar, uma cebola picada e o suco de meio limão. Bate até ter um creme fino e homogêneo. Borrifada com sal, pimenta e endro a gosto. Esfria na geladeira.

LEGUMES REFOGADOS E ARROZ COM CARNE MOÍDA MAGRA

Primeiro coloque o arroz para ferver com água e sal. Limpa e cortada em cubos um abobrinha, cebola, berinjela média e 10 cogumelos.

Se quiser ir mais rápido, coloque a cebola no caso de micro-ondas e coze-potência máxima de 5 minutos, depois adicione a berinjela e a abobrinha 5 minutos e, finalmente, os cogumelos 3 minutos. Em seguida, pula em uma panela junto com a carne moída e, finalmente, acrescenta-se o arroz.

Se preferir, pode cozinhar as verduras em uma panela com uma colher de sopa de azeite de oliva em fogo baixo e, quando estiverem quase cozidos junte a carne e, finalmente, o arroz.

OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS

Praticar exercício irá ajudá-lo a alcançar seus objetivos. Não só aumenta o gasto de energia se você não é um hábito saudável, recomendado para todos. Mantém-Te em forma, melhorar a sua massa muscular, o sistema cardiorrespiratorio e, a nível psicológico, é um grande aliado: te ajuda a libertar a tensão e melhora a sua percepção da imagem corporal.

É importante que você encontrar um exercício que você goste, se não podes ficar procurando desculpas para não fazê-lo, os benefícios do esporte são multiplicados se divertir. A partir de nadar, correr, ou andar de bicicleta, atividades dirigidas, esporte, dança ou artes marciais. Há uma infinidade de esportes a escolher. E se você não pode fazer exercício de forma planejada, não se esqueça de que a atividade diária também conta, toca a mexer! Anda mais e suba as escadas.

Já vê que não é tão difícil. Pasito a pasito você pode alcançar seus objetivos.

Dicas para a hora de comer em um restaurante japonês na Vanguarda

Na semana passada foi publicado um artigo sobre a comida japonesa na Vanguarda no que colaborou nossa companheira Joana Manuel González. Tratava-Se de aconselhar sobre aqueles pratos mais saudáveis e como combinar uma refeição em um restaurante japonês com a dieta.

A alimentação japonesa e é caracterizado por uma escolha de alimentos frescos e pratos com técnicas de cozido leves como o vapor ou o consumo de alimentos crus. Também não abundam os molhos nem o excesso de óleo por que ir comer em um restaurante japonês é uma das opções mais saudáveis quando saímos de casa.

comida japonesa

Ainda assim, devemos ter cuidado e não baixar a guarda:

  • Cuidado com abuso de molho de soja. Tem uma grande quantidade de sal e, além de ser usado para cozinhar alguns pratos também está como enfeite para o sushi.
  • As redes pretas caem em torno, os rolos ou Nighiri têm como ingrediente principal o arroz. Se nós gastamos com o sushi, estaremos ingeriendo uma grande quantidade de arroz por isso não devemos abusar. Melhor acompanhar o Sushi de uma salada ou um Edamame (feijões de soja no vapor).
  • Cuidado com as tempuras! O Sushi ou legumes em tempura adicionam calorias extras ao rebozar o produto.
  • As sobremesas continuam sobremesas embora comamos em japonês. Costuma ser o prato mais calórico dos menus graças ao açúcar, farinha e gordura utilizada em sua elaboração. Por que não pedir uma sobremesa para compartilhar?
  • Desfrute do peixe cru. Os japoneses usam o atum e o salmão em muitas das preparações cruas. São peixes ricos em omega 3, perfeitos para prevenir doenças cardiovasculares ou melhorar a nossa pele.
  • Cuidado com o consumo de peixe azul se está grávida ou em período de amamentação! O atum e o salmão são peixes de grande tamanho pelo que ao longo de sua vida acumular maiores quantidades de mercúrio que outros peixes mais pequenos. Por esta razão recomenda-se limitar o consumo destes peixes a uma vez por semana.
  • Desfrute de uma salada de algas. São pouco frequentes na nossa alimentacióny adicionados fibra, cálcio, ferro e várias vitaminas. As algas são muito usadas na medicina chinesa, mas no mundo ocidental, praticamente não se têm explorado os seus usos terapêuticos. Há estudos preliminares que sugerem que certos polissacarídeos denominados fucoidanos, que normalmente se encontram nas algas castanhas, como as algas kombu e wakame, podem ter propriedades anticancerígenas, embora seu benefício em humanos não está validado.
  • E deixamos para o final o consumo de bebidas. Uma cerveja ou um vinho, por mais que seja de países distantes, continua a ter a mesma quantidade de calorias vazias que uma cerveja nacional. O consumo diário recomendado pelos organismos de saúde de cerveja ou vinho, é ZERO. Faça um consumo responsável de bebidas alcoólicas: você sempre pode consumir água junto a uma bebida alcoólica, a fim de reduzir a quantidade ingerida.

Você pode ler o artigo completo neste link.

Conseguir o corpo desejado a qualquer preço

No sábado passado, no número 101 do suplemento Smoda de O País, publicando um artigo sobre as loucuras de alguma dietas e como a opinião pública trata de forma diferente para as mulheres e para os homens diante de “suas loucuras com a comida”. Se bem que é engraçado ouvir Mario Vaquerizo dizer que sua dieta é composta de vários litros de cerveja a cada dia, mas que está magro porque não combina com comida você?, quando uma afirmação assim sai da boca de uma mulher, que lhe saltam as críticas de toto tipo.

No artigo que você pode ler de forma completa neste link (e que vos encorajamos que você faça), você pode ler a opinião de nossa Diretora Técnica Joana Manuel González sobre o papel dos meios de comunicação na composição da imagem corporal da mulher e o acompanhamento de certas orientações dietéticas.

Nós tivemos várias experiências “não positivas” com meios de comunicação em que tivemos que pedir que não continham nossos comentários ou contribuições já que levamos muito a sério o que e como se comunica em temas de saúde e nutrição, e como alguns itens e/ou meios de comunicação fomentam hábitos e um tipo de corpo não saudável. Então, nós estamos muito contentes de que um meio como O País publique um artigo sobre esta temática.

Como recuperar o peso depois das férias

No número de Setembro da revista Body Life, nossa companheira Cristina Sabaté, nutricionista-nutricionista, colaborou com o artigo “Como recuperar o peso de antes das férias?”.

Alguns dos conselhos que nos dá Cristina são:

  • Comece por organizar os seus horários alimentares e de descanso. É muito importante que resintonices seu relógio biológico e o adaptar de novo à rotina. Respeita o novo horário e o número de refeições que você deve fazer no dia, se você faz cinco refeições diárias em horários regulares, você evitará descompensaciones nas concentrações de glicose no sangue, evitando momentos de ansiedade e gula. Assim, além de ter um melhor desempenho no tatame, você terá um equilíbrio que lhe permitirá recuperar seu peso e consolidar-se no tempo.
  • Lembre-se incorporar legumes no almoço e no jantar. As verduras são ricas em micronutrientes (minerais e vitaminas) e antioxidantes. Não se esqueça de incorporar sempre uma porção por dia de legumes crus, como é a salada, já que é rica em fibras. A fibra estimula o peristaltismo abdominal, aumentando o movimento do cólon e o volume de fezes, fato que melhora o trânsito intestinal.
  • Não se esqueça que o consumo de frutas frescas. Substitui os sorvetes por uma tigela de frutas frescas da estação (é o estado ideal das concentrações de vitaminas). A fruta cortada lhe pode acrescentar um iogurte natural e desfrutar deste lanche da manhã e no lanche da tarde.
  • Cereais integrais e legumes. Os cereais integrais (arroz, pão, macarrão, cuscuz, etc.) têm de incluir diariamente, nos fornecem energia durante várias horas, e são ricos em fibras e vitaminas do grupo B. E, as leguminosas são um dos alimentos mais importantes da dieta mediterrânea, além de muito completo nutricionalmente pelo seu conteúdo em hidratos de carbono, proteína e minerais como o ferro, cálcio e magnésio. O seu conteúdo em fibra aumenta a sensação de saciedade, retardando o aparecimento do apetite.
  • Proteína de fácil digestão. O peixe e a carne branca são de fácil digestão e baixo teor de gordura saturada. O peixe branco é um grande aliado e seu consumo regular irá ajudá-lo a recuperar o seu peso. Não esqueça também incorporar o peixe azul a dieta semanal, já que fornece ômega 3, que tem um efeito cardioprotector sobre o organismo.
  • Técnicas culinárias simples. Prioriza a cozimentos suaves como: ferro de engomar, fervido, forno e papillote, vapor e o wok, evitando frituras e rebozados. Controla a adição de óleo para os seus menus, recomendo-te que não passes de duas colheres de sopa por refeição.
  • Hidratação. Nosso corpo é composto maioritariamente por água, que traz o equilíbrio ao organismo. Através da urina, se eliminam os resíduos que o corpo não precisa e mediante o suor se regula a temperatura corporal. A desidratação diminui estes dois processos tão importantes para o metabolismo, e é por isso que você tem que hidratar o corpo e beber entre 1,5 L e 2L de água por dia, em função de suas necessidades. No caso dos desportistas a hidratação deve ser personalizada e adaptada ao exercício físico que realizam.

Que tal levar a volta das férias? Tem alguma dica a mais que nos queres deixar?

Cólon irritável ou Síndrome do Intestino Irritável: dieta adaptada

Incidência e principais sintomas do Cólon Irritável

O cólon irritável, cujo nome correto é a Síndrome do Intestino Irritável (SII)é uma doença que tem uma incidência muito diferente, de acordo com o país. Nos países industrializados, como o Brasil, é considerada uma das principais causas o estresse, por isso tem uma origem psicossomático.

O cérebro e o intestino estão muito relacionados. O estado de ânimo de uma pessoa influencia diretamente nas secreções intestinais. Quando se passa medo, raiva, decepções, ansiedade,… se reúne na bile. A bile tem a função de digerir as gorduras no intestino, mas é muito laxante. Portanto, se uma situação pessoal faz com que se liberte bile no intestino, quando não se está realizando a digestão, é muito provável que desemboque em uma diarreia.

O perfil das pessoas que sofrem cólon irritável mudou um pouco. Inicialmente parecia sobretudo em mulheres de meia idade, muito trabalhadores, responsáveis, com um elevado nível de autoexigencia e um caráter controlador. Atualmente, esta doença também afeta pessoas jovens, e até crianças.

O cólon irritável é uma doença crônica (embora você possa ser eficiente em alguns casos), que se manifesta com dor e distensão abdominal. Além disso, também produz transtornos no trânsito, como diarreia, prisão de ventre ou ambas as coisas alternadas. O SII é caracterizada por dor ou desconforto abdominal e alteração na freqüência e/ou consistência das fezes (que vão desde a diarreia e a obstipação). Acompanhado freqüentemente de inchaço, gases e distensão abdominal.

O diagnóstico da Síndrome do Intestino Irritável não é fácil. Por isso, o médico especialista na hora de diagnosticarlo costuma seguir o critério de Roma III, que indica que a dor abdominal deve voltar ao menos 3 dias por mês durante os últimos 3 meses, além de duas ou mais dos seguintes sinais:

  • Melhora dos sintomas após a evacuação.
  • Aparecimento dos sintomas, depois de uma mudança na frequência das fezes.
  • Mais sintomas de acordo com mudanças na forma ou na aparência das fezes.

Dieta para o cólon irritável

A dieta da pessoa com a síndrome do intestino irritável dever ser personalizada a cada caso. Como diretrizes genéricas podemos destacar:

  • Moderar o consumo de fibra insolúvel (proveniente de alimentos integrais) da alimentação para não contribuir mais para os desequilíbrios no trânsito intestinal.
  • Aumentar o consumo de fibra solúvel (em forma de gomas, pectinas e mucilagem) na dieta. Você pode fazer com a ajuda dos alimentos, como o doce de marmelo ou a maçã, embora também se recomenda tomar diariamente suplementos alimentares deste tipo de fibras.
  • Evitar os alimentos ricos em gorduras, as frutas cítricas (principalmente a laranja) e os espinafres para diminuir e neutralizar o efeito laxante produzido por sais biliares (bile) no cólon.
  • Diminuir o consumo de frutose (um tipo de açúcar simples que se encontra sobretudo nas frutas). Escolher as frutas mais pobres em açúcar e as mais ricas em pectina, como por exemplo a maçã com a pele. Não é adequado tomar sucos de frutas ou néctares.
  • Eliminar totalmente o consumo de sorbitol, um adoçante), alimentos ou espécies picantes, o gás (bebidas), o café e o chá.
  • Beber dois litros de água por dia. É muito importante garantir a hidratação, quando há decomposição ou diarreia. Recomenda-Se beber água ou chá de ervas suaves como a tila e a maria luísa (que não têm nenhum efeito laxante). Além disso, um aporte suficiente de líquidos também ajuda a combater a prisão de ventre.
  • Mesmo cumprindo todas as normas mencionadas não se deve esquecer que é necessário controlar o estresse. Uma ajuda natural para combater e controlar os níveis de stress é tomar pasiflora e valeriana.

Alimentos para o cólon irritável

cólon irritável, síndrome do intestino irritável

ilustación do intestino irritável

O cólon irritável, ao igual que outras doenças intestinais como o Crohn e a Colite Ulcerosa, apresenta muitas intolerâncias pessoais. Não se devem confundir estas intolerâncias provocadas pela doença com as alergias alimentares. Os alimentos que mais freqüentemente provocam intolerância e que, portanto, recomenda-se evitar, desde o início, são os citrinos, a cebola, o chocolate, os ovos, o glúten (presente na maioria dos cereais como o trigo, a aveia, a cevada, o centeio e triticale), a cafeína (presente no café, chá e chocolate), o consumo de álcool.

Síndrome do Intestino Irritável e dieta FODMAP

dieta fodmapA dieta FODMAP foi desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Monash, na Austrália. FODMAP é a soma das iniciais das palavras em inglês do que em português são Oligossacarídeos, Monossacarídeos Fermentáveis e Polióis. Todos eles hidratos de carbono de cadeia curta.

Assim, a dieta FODMAP é uma dieta de baixa ou sem frutose, lactose, frutanos, galactanos e polióis. Presentes nos seguintes alimentos:

  • Frutas como maçã e pêra.
  • Vegetais como cebola, leva e alho.
  • Leguminosas: ervilha, soja e lentilha.
  • Cereais: trigo e derivados, centeio e cevada.
  • Frutos secos.
  • Laticínios: leite, queijos, sorvetes e iogurtes. Avaliar a tolerância.
  • Edulcorantes artificiais: produtos que contêm sorbitol (E420), manitol (E421), isomalt (E953), maltitol (E965) e xilitol (E967), etc.

Qual a relação entre o SII e a dieta FODMAP?

Os oligossacarídeos, monossacarídeos fermentáveis e os polióis em algumas pessoas não absorvem 100% no intestino delgado. Por que estas moléculas não absorvidas seguem o seu caminho até chegar ao intestino grosso, onde atuam como alimento para as bactérias que vivem nele normalmente. Ali, as bactérias digerem/fermentar os FODMAPs e que causam os sintomas descritos na definição de Síndrome do Intestino Irritável.

Portanto, uma dieta baixa em FODMAP pode ajudar a reduzir os sintomas da Síndrome do Intestino Irritável e também de outras doenças inflamatórias intestinais como colite ulcerosa ou doença de Crohn.

Você tem de eliminar o glúten da dieta?

O primeiro é descobrir quem poderia se beneficiar de uma dieta sem glúten. Para isso, é fundamental fazer o teste para determinar se existe ou não a doença celíaca ou alergia ao trigo. Se o teste for positivo, então não há dúvida: tem de eliminar o glúten ou trigo da dieta. Mas, se dá o contrário, que a prova é negativa, uma dieta sem glúten ou trigo não está justificada.

De todas formas, algumas pessoas que não são alérgicas a derivados do trigo ou alérgicas ao trigo apresentam uma sensibilidade ao glúten, que provoca sintomas semelhantes aos do SII, que geralmente desaparecem depois de uma dieta sem glúten. É importante destacar que os alimentos que contenham glúten, como trigo, cevada, centeio e seus derivados são ricos em FODMAPs. De todas as formas, nem todos os alimentos sem glúten são baixos em FODMAPs (como a cebola), nem todos os alimentos com glúten são altos em FODMAPs (como a aveia).

O que dizem os estudos Há consenso?

Após as primeiras investigações da austrália em 2005, têm sido vários os estudos que foram realizados para avaliar o possível efeito da dieta FODMAP sobre a Síndrome do Intestino Irritável.

Muitas pesquisas confirmam os efeitos positivos desta dieta sobre os pacientes com SII e dão evidência ao uso da dieta FODMAP como tratamento. Mas há outras investigações e profissionais de saúde que duvidam do projeto e a eficácia da dieta como tratamento da SII. Isso se deve ao fato de que alguns estudos têm observado que há poucas evidências que sustentem a hipótese e que, além disso, os estudos disponíveis até agora tem limitações significativas. Sem esquecer que é imprescindível o acompanhamento da dieta FODMAP por parte de um nutricionista-nutricionista para garantir o seu cumprimento e evitar desequilíbrios dietético-nutricional e isso, pelo menos em Portugal, que não há nutricionistas-nutricionistas da Segurança Social, é complicado.

Com relação a seguir uma dieta sem glúten, quando se apresenta sensibilidade ao glúten e SII, diversos estudos constataram que, certamente, os sintomas melhoraram ao retirar o glúten da dieta e relacionado a criar múltiplas ao voltar a introduzi-lo. Ainda assim, neste caso, também, nem todos os especialistas estão de acordo e concluem que há limitações para os estudos publicados e duvidam se é o glúten ou outra proteína ou componente do trigo o responsável pelos sintomas.

Passos a seguir se apresentam a Síndrome do Intestino Irritável

  1. Procure um gastroenterologista que, após confirmar o diagnóstico se faça o acompanhamento.
  1. Marque uma consulta com um nutricionista-nutricionista que depois de avaliar individualmente o seu caso introduzirá a dieta ou diretrizes aplicáveis. Geralmente se faz uma dieta de exclusão por 2-6 semanas até o desaparecimento dos sintomas e é reintroduzida pouco a pouco os alimentos. Sempre evitando dietas muito restritivas (reduzem as bactérias benéficas para o nosso intestino) e observando a partir de um registo dos alimentos ingeridos e os sintomas. Podem voltar a tolerar certos alimentos, controlando a quantidade e a frequência de consumo.
  1. Valoriza tratamento psicológico. Não se demonstrou que tenham fatores psicológicos que resultam ou influenciem o SII, mas estes podem:
  • Nos fazer acreditar que os sintomas abdominais são duráveis e mais graves.
  • Reduzir a qualidade de vida e aumentar o uso de serviços de saúde.

Por estas razões, é comum que as pessoas com SII apresentam ansiedade, depressão, somatización, hipocondria e medos relacionados aos sintomas. Além disso, o psicólogo pode dar diretrizes na hora de gerir o stress, já que o estresse piora dos sintomas gastrointestinais do SII.

  1. Pratique exercício físico. Um estudou observo como após 12 semanas de exercício físico (3-5 vezes por semana, de moderada-alta intensidade) o nervosismo por sintomas gastrointestinais em pacientes com SII foi suprimida.
  1. Elimina o álcool e o tabaco, durma bem e descanse. Embora não exista uma evidência clara são mudanças positivas.

O papel do nutricionista – nutricionista no cólon irritável

Como você pôde ler, se você sofre de Síndrome do Intestino Irritável é imprescindível o aconselhamento por parte de um nutricionista-nutricionista. Em Alimmenta você encontrará umaequipe de nutricionistas-nutricionistas especialistas no tratamento de doenças inflamatórias intestinais, uma psicóloga e um treinador pessoal, que te ajudarão a melhorar seus sintomas.

Colaboração entre Belvita e Alimmenta

belvita-alimmentaDurante o mês de novembro, a campanha na imprensa de biscoito Belvita, pode-se encontrar a nossa Directora Técnica, Joana Manuel González, falando sobre a importância de um bom pequeno-almoço. Não é a primeira vez que uma marca de grande consumo põe-se em contato conosco para fazer uma colaboração, mas sim que é a primeira vez que nós aceitamos. O que teve de especial Belvita para trabalhar juntos?:

  • O produto gostamos: são biscoitos com uma boa composição nutricional, tanto dos cereais que usam (5 variedades integrais), como o óleo que usam.
  • Os reclames publicitários são corretos e contam com um respaldo científico. A mensagem “Energia durante toda a manhã” é autorizado pela UE em base a sua composição em carboidratos de absorção lenta (IG de 45 a variedade de cereais e leite).
  • A sua comunicação é baseada em um café da manhã completo no que incluem produtos lácteos, frutas e um pacote individual de 4 biscoitos de 50 gramas.
  • O rigor na hora de comunicar os benefícios do produto e a importância de um “café da manhã inteligente”.
  • As pessoas com as quais tivemos contato, tanto da agência como da marca. Uma comunicação clara e sincera desde o primeiro momento nos permitiu trabalhar de forma ágil e estar todos contentes com o resultado.

Nossa missão como empresa é “melhorar a saúde das pessoas através de uma alimentação natural e equilibrada”. A comunicação das vantagens de uma alimentação saudável faz parte do nosso DNA como uma empresa e Belvita nos permitiu levá-lo a cabo, mantendo nossos valores profissionais.

Colaboração na revista Crescer Feliz

Crescer feliz proteínasNa revista Crescer Feliz deste mês de maio, você pode ler um artigo em que se fala sobre a introdução de proteínas na alimentação dos bebês (6-12 meses) e o que aparece como assessora nossa companheira Júlia Farré. Neste caso, houve um erro, já que o artigo que enviou nossa companheira não foi publicado e foi substituído pelo que você pode ler se pincháis a imagem. Este último contém várias imprecisões que queremos esclarecer:

  • No artigo falam de que as carnes vermelhas não devem dar até aos 5 anos e, em troca, incluem a carne de vaca, desde os 6 meses e o porco e o borrego desde o ano.
  • Citam como alimento “carne branca”, que é carne de vaca jovem, mas continua a ser a carne vermelha e pode dar lugar a mal-entendidos.
  • A ração que propõem de 50-70 g é excessiva para um bebê. Tem que começar por 30 gr. Dizer que as carnes, que citam são digestivas também é errado.
  • Dizer que uma vez que começa a mastigar, há que dar-lhe hambúrgueres e almôndegas em pedaços muito pequenos é errado. Se mastiga, há que dar-lhe pedaços normais e que aprenda o bebê para quebrá-las e masticarlos. Não há que dar-lhe pedaços do tamanho de um adulto, mas não pedaços pequenos.
  • O artigo fala sobre o presunto de York, dizendo que é mais gorduroso do que pensamos e que se deve dar a partir do ano. O presunto de York é um produto com baixo teor de gordura e é introduzido com o resto das carnes. As papinhas da Nestlé para crianças de mais de 6 meses incluem o presunto York entre a sua composição.
  • Também não se deve dizer que as carnes vermelhas são difíceis de digerir, elevam o colesterol e que tem um sabor forte, porque eles são alarmantes para os pais, além de ser totalmente errado.
  • O conselho prático que dão, falam sobre a rejeição do bebê a um purê, que inclui um bife inteiro, quantidade de todo inadequado para um bebê.
  • Por último, o conselho final que se dá de não dar mais do que dois ovos por semana para prevenir o colesterol carece de qualquer base científica.

Em seguida publicar o artigo original de Júlia Farré, nutricionista-nutricionista de Alimmenta, que devia servir de base para a elaboração do artigo final.

A alimentação durante a infância é muito importante. As necessidades de muitos nutrientes são elevadas e se não se chegar às quantidades recomendadas podem aparecer alterações e desequilíbrios importantes.

As proteínas são as moléculas que se encontram em maior quantidade nas células humanas. Têm uma função estrutural importante, são os “tijolos” que constituem o corpo (órgãos, músculos, etc).

As principais fontes de proteína durante a infância são os laticínios (leite, queijo, iogurte), as carnes, os peixes, os ovos, as leguminosas e os cereais. Durante as fases de crescimento da OMS recomenda que 65% das proteínas são de origem animal (leite, carne, peixe, ovos) e 35% de origem vegetal (leguminosas e cereais).

Geralmente, as dietas das crianças costumam ser ricas e suficientes em proteínas. Somente há perigo de carência protéica em crianças que seguem uma dieta vegetariana estrita não controlada por um profissional ou em casos de alergias, onde os alimentos permitidos sejam muito diminuídos.

A ingestão diária de proteína é necessária para executar várias funções no organismo:

  • Enzimática: As enzimas são formadas por proteínas e são as responsáveis para que se possam realizar as reações bioquímicas do corpo. Por exemplo, a reação necessária para digerir um açúcar.
  • Reguladora: As proteínas ativam as funções e a atividade das células.
  • Transporte: Algumas proteínas do organismo, têm a função de transporte de substâncias pelo sangue. Por exemplo, o oxigênio viaja pelo corpo, graças às proteínas.
  • Estrutural: As proteínas são necessárias para a formação de novos tecidos que permitam manter um bom tônus muscular.
  • Defensiva: As defesas do corpo são proteínas. Uma boa ingestão de proteínas aumenta a imunidade da criança.
  • Energética: As proteínas devem fornecer entre 12-15% da energia que a criança consome ao longo do dia.

A forma de introduzir as proteínas deve ser a mesma que com os outros alimentos. Com pouco a pouco e com naturalidade. Tem que acostumar as crianças ao sabor dos alimentos com os alimentos e, posteriormente, nas texturas, cortando os alimentos em pedaços pequenos e deixando que os comem com as mãos. Um dos principais motivo de recusa dos alimentos é não deixar que crianças toquem, deformem, brinquem e se tornam sujo do que eles.

Se algum alimento não gostam, há que pesquisar de que forma se podem comer, de não desistir e persistir. Pesquisar maneiras para “camuflar” os produtos e os sabores, por exemplo, com triturados, molhos ou recheios.

Clínica de emagrecimento Alimmenta, emagrecer em Barcelona

Olá. Só posso mostrar a minha satisfação pela forma como correu o meu re-educação alimentar, com Alimmenta, em especial com Laia quem me tem atendido a partir de Fevereiro. Eu tinha um excesso de peso leve (1,65 m e 73 kg), comia muito pouco (como eu disse Laia na primeira consulta) e meu peso foi aumentando. Para isso, se lhe unia uma grande dificuldade para dormir e um cansaço extremo, tanto pelo mal dormir como pela falta de nutrientes, como também me explicou Laia. Agora mesmo peso 67 kg, não foi uma perda de peso rápida, mas muito gradual, meu descanso (salvo situações familiares difíceis que estamos passando é bom, meu cansaço não existe (só o emocional por essa situação familiar), aprendeu a comer bem sem que eu me peso tirar, senão todo o contrário (eu continuo perdendo algumas centenas de gramas a cada 15 dias), perdi a celulite que tinha nas pernas. Eu interiorizado a forma de comer que Alimmenta me ensinou e agora eu sei o valor de cada nutriente: proteína, hidrato de carbono e fibra, e qual sacrificar esses dias que eu tenho pouca vontade de comer. Recomendo totalmente a equipe de Alimmenta, são excelentes profissionais, próximos, compreensivos e sempre tem uma palavra de ânimo quando se pensa em jogar a toalha, eles/as se reconducen com carinho.

Luísa