4 mitos sobre alimentação vegetariana no Dia Mundial do Veganismo

Hoje, 1 de Novembro é o Dia Mundial do Veganismo e nós trazemos-lhe este vídeo de nossas nutricionistas Balma Edo e Adriana Oroz o que nos contam os 4 mitos sobre alimentação vegetariana e vegana que mais freqüentemente se encontram em consulta. E quais são estes mitos?

MITO 1: um vegetariano, se alimenta apenas de frutas e legumes

O mito mais comum com o que nos encontramos, já não em consulta, mas a rua é pensar que um vegetariano, se alimenta apenas e exclusivamente de frutas e legumes.Para isso, esclarecermos os conceitos.

Não se consideram vegetarianos aquelas pessoas que não consumindo carne se consomem peixe, ou aquelas que fazem um consumo muito baixo ou ocasional, tanto de carne como de peixe e frutos do mar.

É considerada vegetariana a pessoa que NÃO consome carnes (nem sequer de aves), peixes ou frutos do mar, nem aqueles produtos que os contenham. A partir desta premissa comum, existem quatro grandes grupos:

  • Ovolactovegetarianos: consomem laticínios e ovos, além de alimentos de origem vegetal.
  • Ovovegetarianos: consomem ovos, além de produtos de origem vegetal.
  • Lactovegetarianos: consumir alimentos de origem vegetal e produtos lácteos.
  • Vegetarianos estritos: também chamados de “veganos”, não consomem alimentos de origem animal, nem mel. Seus valores também costumam incluir o não usar nenhum produto que tenha origem animal (roupas, sapatos, suplementos nutricionais, cosméticos…).

MITO 2: uma alimentação vegetariana é insuficiente em nutrientes

Muita gente nos pergunta se a uma alimentação vegetariana é equilibrada e podem ter défices a nível nutricional.. E isso é muito curioso, porque a gente se questiona se uma dieta vegetariana é equilibrada, dando por feito que a onívora, se assim o é.

De acordo com a ADA (Associação Dietética Americana) das dietas vegetarianasadecuadamente planejadas são saudáveis, nutricionalmente adequadas, e podem fornecer benefícios para a saúde na prevenção e no tratamento de certas doenças e são apropriadas para todas as fases do ciclo de vida, incluindo gravidez, lactação, infância, infância e adolescência, assim como para os atletas.

Para determinar se uma alimentação é equilibrada e saudável, deve ser avaliado no seu conjunto. Se consumidos de forma livre, alimentos de origem vegetal ricos em gorduras trans ou gordura saturada e açúcares (biscoitos, bolos, preparados de substitutos de carne ricos em gorduras, cereais de pequeno-almoço com adição de açúcar, mel, açúcar) por muito vegetariana que seja a alimentação NÃO SERIA SAUDÁVEL. Ou se a pessoa não se para para pensar em como substituir as proteínas de origem animal por proteína de origem vegetal, também não seria uma alimentação EQUILIBRADA. Mas esta mesma situação ocorre com qualquer outro tipo de alimentação.

MITO 3: a dieta vegetariana não é compatível com a prática de exercício, a nível profissional

Ser vegetariano não está bem disputado, com ser um esportista ou fazer exercício., simplesmente deve-se planejar a alimentação, da mesma forma que o faria um atleta de nascimento. Quando falamos de pesquisar desempenho desportivo e adequação da alimentação à prática esportiva, o que interessa é chegar a cobrir bem as despesas decorrentes da atividade física…Tinha o mesmo, se está bem planejado e programado por um nutricionista….Por que não?

MITO 4: com uma alimentação vegetariana não contribuímos com a proteína suficiente.

Muitas pessoas pensam que os alimentos de origem vegetal não nos fornecem proteínas de boa qualidade ou da mesma qualidade que as de origem animal. Mas você pode encontrar PROTEÍNA de boa qualidade em alimentos de origem vegetal. Vamos explicar o que quer dizer a expressão “proteína de boa qualidade”:

  • Significa que tem todos os aminoácidos essenciais em sua composição, ou seja, contêm todos os aminoácidos que o organismo não é capaz de sintetizar por si mesmo e deve colocá-los na dieta. Os aminoácidos são as “peças” que formam as proteínas, existe uma longa lista deles e cada proteína é formada por alguns.
  • Existem alimentos de origem vegetal, que têm um perfil de proteína completa, como por exemplo, a soja, grão de bico, alguns tipos de feijão brancas, negras, pistache, quinoa, sementes de cânhamo, sementes de chia, amaranto. Embora as porções que devemos dar a cada um deles são diferentes.
  • Sim, isso é verdade, que no caso de lentilhas, apresentam um perfil de proteína incompleta, porque lhes falta um aminoácido essencial, a metionina e os cereais como o arroz lhes falta lisina, pelo que é necessário combiná-los, para conseguir uma proteína completa.
  • Não há necessidade de combiná-los na mesma refeição, mas se ao longo do dia, isto é, nós podemos comer lentilhas e jantar arroz.
  • Igualmente você pode fazer outras combinações que vos garantam essa ingestão completa de proteína com alimentos proteicos de origem vegetal. Como por exemplo; Legumes + Cereais* (Lentilhas com arroz, cereais de pequeno-almoço, bebida de soja, Pão com tofu). Frutos secos* +, Leguminosas (Grão de bico e rodas dentadas, Hambúrguer de tofu e farinha de amêndoas) ou Frutos secos + Cereais* ( biscoitos de aveia com nozes, pão de nozes…)

Não só uma alimentação vegetariana é mais saudável.

… mas que tem um impacto ambiental muito importante. Podemos encontrar alimentos vegetais muito perto nosso (economia de transporte e armazenamento), o custo de energia e de água para produzir um quilo de legumes é muito menor (entre 8 e 40 vezes, segundo o estudo) que a produção de um quilo de carne e os resíduos gerados também são muito inferiores.

Se você não está preparado para ser vegetariano, sim, que podes dar um passo e diminuir o consumo de carne e peixe e centrar a sua alimentação em frutas, verduras e legumes. Se você planeja fazer uma mudança na sua alimentação, dirigido para uma alimentação vegetariana, vos exortamos a que vos deixeis orientado por uma nutricionista-nutricionista vegetariana para que vos possa orientar bem e dar-lhes os recursos e informação adequada.